#Homens + Lingerie = Tangas

quinta-feira, fevereiro 12, 2015




À semelhança do que acontece no Natal, aproxima-se o 2º momento do ano em que parece ser obrigatório dar presentes [é este lado comercial, elevado aos píncaros, que sempre fez do "dia dos namorados" um pequeno ódio de estimação pessoal].  Aquilo que eu constato aos dias de hoje, depois de quase 1095 dias a "pôr mamas no sítio" e a dar forma a algumas "misérias" humanas (com todo o devido respeito), é que tanto numa época como na outra existem uns quantos heróis que se aventuram, a medo, no desconhecido.

O desconhecido pode ser uma dízima infinita de tamanhos de soutien completamente indiferente ao mais comum dos mortais, principalmente aos mortais do sexo masculino [embora haja uma quota parte de mulheres, que uma vez "evangelizadas" (às páginas tantas pelas minhas homilias) , continuam a defender as equações simples do A,B,C,D... parece que o alfabeto parou por aí!].  

Em relação às cores, aos modelos e às tendências eu não tenho nada a apontar: os homens tem um imaginário (bastante) fértil e verdadeiramente actualizado quando o assunto são peças de roupa minúsculas... Às vezes até consigo adivinhar o que lhes vai na cabeça... Vejo-os a imaginarem as respectivas caras metade fantasiadas de anjo da Victoria's Secret, encostadas ao balcão da cozinha lá de casa, vestidinhas com um conjuntinho cintilante e um avental piriri, enquanto se pavoneiam com um espanador na mão [é assim que eu limpo o pó, vocês não?!].


Adiante. O problema coloca-se quando se lhes pergunta o respectivo tamanho. Coçam a barba, olham com o sobrolho levantado para o soutien e de repente vê-se-lhes desviar o olhar, disfarçadamente, para a mulher que estiver mais próxima. Toda a gente sabe o que é que eles estão a tentar fazer: estão a tentar comparar o tamanho das mamas da cara metade com o tamanho das mamas de outra mulher, como se isso fosse possível detectar a olho nu... nem o Luís de Matos conseguiria, garanto-vos. Palavra de profissional.

Eu nunca tive namorados que me oferecessem lingerie, sempre conseguiram ser (mais) originais [ou se avaliar as coisas de outra perspectiva, se calhar sempre foram muito medricas, mas também compreendo, não é fácil ter-se nas mãos um FF... (este post hoje está um bocadinho piroso, parece o "50 Sombras de Grey", mas com mais dignidade. já o foram ver?)].

A unidade mais famosa para medir tamanhos de mamas utilizada pelos homens é a "mãozinha"... é verdade! Chegam a abrir as mãos no vácuo e dizem assim: "é deste tamanho mais ou menos!" Os homens são práticos. E ainda dizem que o tamanho não importa... Importa sim! Muito mesmo! Nessas situações há sempre a hipótese de optar por uma via mais segura, o cheque oferta, mas normalmente os homens não apreciam muito essa sugestão, dizem que um pedaço de papel não causa o mesmo impacto de um conjunto. Eu acho que eles andam enganados: qual é a mulher que não fica contente com um pedaço de plástico minúsculo nas mãos? Quando eles nos dão o cartão de crédito a gente até os deixa em paz, e de fim de semana prolongado!


Qual é a minha dica para ajudá-los a perceber um pouco mais sobre tamanhos de soutien? Costumo falar numa linguagem que eles entendem, descrevo-lhes os soutiens como verdadeiras peças de engenharia, falo-lhes de sustentação, mecânica, ergonomia, arquitectura, invento uma série de comparações e baralho-lhes um bocado as ideias para eles irem ao ponto mais importante da questão: eles que guardem as "mãozinhas" para outra coisa mais útil do descrever tamanhos de maminhas. Deviam pensar que isto era tão fácil como o Jardel a empatar em Alvalade... era era... [mesmo com não sei quantas internacionalizações, ainda falho uns penaltis jeitosos de vez em quando].

Para mim roupa só diz respeito às mulheres, se bem que há por aí umas espécies raras, cheias de bom gosto e muito perspicazes a acertar naquilo que a amada gosta. Mas pelo sim, pelo não e para não me darem muito trabalho a mim, escolham vocês, senhoras, e façam-lhes uma surpresa depois, ok? Acho que eles vão gostar tanto que vos vão despir com os olhos [e com as ditas "mãozinhas"... é para isso que elas servem!]. Au revoir!

[imagens: Panache Sculptress]

Deixe um comentário

2 comments

  1. Brutalíssimo, a dita "mãozinha" pode ser usada para tanta coisa haha

    E quanto às comparações, isso acontece também quando perguntamos o tamanho que a senhora veste, tantas vezes que ouvi: "Ah é assim como a menina" ou "Mais magrinha" (nunca dizem que têm a seu lado uma pessoa mais gordinha

    São engraçados estes homens :D

    ResponderEliminar
  2. Espectacular post!

    "...caras metade fantasiadas de anjo da Victoria's Secret, encostadas ao balcão da cozinha lá de casa, vestidinhas com um conjuntinho cintilante e um avental piriri, enquanto se pavoneiam com um espanador na mão [é assim que eu limpo o pó, vocês não?!]."

    Hummmm, e elas, será que não imaginam, também?

    "descrevo-lhes os soutiens como verdadeiras peças de engenharia, falo-lhes de sustentação, mecânica, ergonomia, arquitectura, "

    e que boa explicação, só mesmo de uma arquitecta de mamas

    "eles que guardem as "mãozinhas" para outra coisa mais útil do descrever tamanhos de maminhas."

    e olhe que nem todos sabem utilizar as mãozinhas.

    Beijinho

    ResponderEliminar