#Alugam-se maridos à hora

sexta-feira, março 13, 2015

Ora aí está uma notícia que interessa [sobretudo ao público feminino]:

«A administração da cidade de Moscovo quer oferecer aos seus habitantes um novo serviço social que consiste no aluguer de maridos à hora [e eu que achava a minha ocupação profissional das mais originais]. A iniciativa, avançada pelo jornal “The Moscow Times”, será gratuita para famílias com dificuldades económicas e estará disponível em troca de um custo reduzido para todas as outras. O serviço de arrendamento de maridos já existe no sector privado e, segundo explicou o chefe de serviço de protecção social da Câmara de Moscovo, estes homens poderão realizar tarefas que, na sociedade russa, são “trabalho do homem”, como arranjar uma torneira ou colocar prateleiras [e quiçá, desentupir alguns canos... desculpem, mas não resisti à piada fácil!].
“Husband For An Hour Moscow” (Marido por uma hora em Moscovo) é uma das várias empresas de aluguer de homens na capital russa. No site, pode ler-se que estão disponíveis “homens jovens e fortes com várias capacidades técnicas” [já que é para substituir maridos ao menos que as clientes possam escolher produtos sem defeito] para trabalhos de faz-tudo [é bom que façam mesmo... a publicidade enganosa é um perigo!]. O anúncio visível no site faz uma clara referência à desigualdade de sexos: “Passou muito tempo numa loja a escolher iluminação para o corredor de sua casa. Mas é uma mulher bonita com uma manicura acabada de fazer e não está preparada para usar o berbequim [mas na Rússia ninguém vai ao Ikea? aquilo monta-se tudo sem berbequins!] Quem é que pode chamar? Homens assertivos que serão o seu marido por uma hora [a assertividade num casamento dura portanto 60 minutos/dia].” Ainda assim, são as famílias jovens ou os idosos quem mais recorrem a este serviço [ao que parece as russas estão bem servidas, obrigada].»


Deixe um comentário

1 comments

  1. Às vezes, fazia falta um marido desses cá em casa, para furar uma parede e outras coisas que não consigo fazer...e mesmo assim, faço muito .

    ResponderEliminar