#Isto é que foi um 31!

segunda-feira, abril 27, 2015



Os 30 foram uma viagem de longo curso acidentada [motherfuckers!]... mas compreendo e reconheço a necessidade de ter sido obrigada a mudar a minha forma de pensar. Existem anos [ou idades] que não são de todo aquilo que [mais] desejámos, mas na altura do "vamo' ver" acabam por ser exactamente aquilo de que estávamos a precisar [hummm, desta vez o discurso é bem mais optimista do que o do ano passado].

Estou de telefone na mão porque acho que existem algumas coisinhas importantes que todos vocês deviam ficar a saber... Nós esquecemo-nos [muitas vezes] que somos seres humanos. E infelizmente a morte ensina-nos que nenhum de nós vive eternamente. Não fomos feitos de ferro, fomos feitos de carne e osso... Passamos metade das nossas vidas com armaduras ridículas que impedem que os outros cheguem até nós, e que na esperança de nos tornarem guerreiros, fortes e robustos, enfraquecem-nos a olhos vistos. 

O meu corpo arranjou uma forma muito engraçada de me pregar uma partida... de me avisar que os níveis de defesa estavam tão altos que eles próprios se tornariam numa ameaça para mim. Alguma das pessoas que me lê já teve ataques de pânico e/ou crises de ansiedade? Pois foi assim que tudo começou...

Comecei a não ser capaz de tolerar transportes públicos, espaços muito cheios de gente, lojas, [e não, isto não é uma piada irónica], e tudo o que implicasse estar no meio de pequenas multidões. Tornei-me um bocadinho ainda mais anti-social do que aquilo que eu já era... Sentir que não temos o controlo da nossa vida e do nosso bem-estar deixa-nos um bocadinho apreensivos. Deixei de me afastar da minha área de residência, deixei de ir ao supermercado porque não aguentava a espera nas filas do caixa, deixei de ir a convívios com amigos por causa da claustrofobia, das cólicas, do estômago, da cabeça, enfim... deixei de desfrutar da vida como se deve desfrutar dela.

E as pessoas não são nada sensíveis a estes temas... Basta verem-nos com um batom na boca e com o cabelo lavado para acharem que estamos de saúdinha. Cansei-me de não saber quem eu era. Ou melhor, cansei-me por saber que algo me estava a impedir de voltar a ser quem eu era. A depressão, a ansiedade e os ataques de pânico não são sinais de fraqueza, são sinais de termos tentado mantermo-nos fortes de uma forma demasiado longa.

Pedi ajuda. E fiz aquilo que a minha psicóloga me recomendou: "encha-se. encha-se de outras coisas. encha-se com todas as paixões que tem. encha-se com aquilo que mais gosta. encha-se com o que lhe faz correr o sangue nas veias. encha-se". Eu achava muito honestamente que o meu problema era estar cheia demais, demasiadas crises, demasiadas interrogações, demasiadas frustrações, mas afinal de contas estava enganada... Tinham-me esvaziado, tinha-me esvaziado.

E é assim que as vidas mudam. Mudam quando voltamos a nós. E sentar-me aos dias de hoje num banco de um autocarro sem começar a hiperventilar e sem me "botá porta fora" significa muito para mim. Significa a minha vitória sob mim própria, sob os meus medos e sob as minhas incapacidades. Quando a gente deixa de se amar e entrega essa responsabilidade aos demais, corremos o risco de nunca descobrir o valor que temos. Desta vez não vou planear. Não vou definir. Não vou esperar que sejam os outros a validarem e a definirem aquilo que eu sou. Não vou esquecer o que passei. Vou encher-me. O mais que puder. Com o que a vida tem de melhor. Venham eles! Os 31,32,33,34,35... quando chegar aos 40 logo se mudam as etiquetas do blog.

[imagens: ccstylebook]

Deixe um comentário

10 comments

  1. Estás em grande. O que é preciso é mesmo dar a volta (com força e 'córáge'.
    Beijos do Junças!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Foi preciso muitaaaa córáge mesmo! Obrigada Junças ;)

      Eliminar
  2. A idade ensina-nos muita coisa, e se não é a idade são as pessoas. Os 30 e 31 fazes-los tu, mas também eu tenho aprendido muito com o teu caminho! Os meus 24/25 tornaram-se muito mais ricos a teu lado, e apesar de também ser assim um bocadinho anti-social como tu, há pessoas de quem gosto muito... És uma delas CC!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que palavras bonitas Inezzitah! Obrigada por este presente antecipado!
      Sou uma sortuda por ter pessoas tão bonitas a "encher" a minha vida ;)

      Eliminar
  3. Como a compreendo :´( Obrigada pela partilha e parabéns pela sua força e inspiração! :) Beijinho*

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada eu Marta! Bem-vinda ao CC!
      Ainda estou a recuperar,mas sabe bem saber que não estou sozinha :)
      Beijinhos*

      Eliminar
  4. "A depressão, a ansiedade e os ataques de pânico não são sinais de fraqueza, são sinais de termos tentado mantermo-nos fortes de uma forma demasiado longa."

    Muito, muito bom.
    Esta também é sinal de força e vontade: "Venham eles! Os 31,32,33,34,35... quando chegar aos 40 logo se mudam as etiquetas do blog."
    Adorei!
    E Feliz Aniversário.
    Um beijinho

    ResponderEliminar