#A definição perfeita de amor

sábado, maio 09, 2015

As mãos e a cara dele denunciavam uma vida de trabalho, honesta, humilde, dura. Mas aqueles olhos... Aqueles olhos tinham mais para contar. Tinham o brilho especial, difícil de encontrar, das pessoas que falam com o coração e não com as palavras.

"Vi-a à janela e disse: 'Eh raparigaaa, ai Jesus!'... Nunca mais consegui dormir". Mas nesse tempo a vida nos Açores não era uma vida próspera. A janela ficou vazia, mas ele, o homem de quem vos falo, continuou sem conseguir dormir. "Nem tive tempo para falar com ela, descobri que tinha emigrado com a família para o Canadá". E perguntei-lhe curiosa, hesitante, pouco crente: "e o que é que fez a seguir?" 

"O que é que eu fiz a seguir?! Oooh é claro: fui atrás dela!" "Foi atrás dela sem eira nem beira, sem a conhecer verdadeiramente, para uma terra que não era sua, para um lugar onde ninguém o entendia?" O brilho nos olhos intensificou-se. "Eu quando cheguei lá fui procurá-la, fui a casa dos pais dela e disse que precisava de falar com ela..." "O que é que lhe disse?" "Eu só precisava de lhe perguntar uma coisa: 'Eh rapariga, tu gostas de mim'?" "E então?!" "E então ela disse que gostava e era só isso que eu precisava ouvir".

A simplicidade da estória parecia-me inverossímil. "Mas como é que duas pessoas que não se conhecem, seguem um instinto incerto, sem saber se as coisas vão correr bem?" "Nós não sabíamos se as coisas iam correr bem... nós queríamos que as coisas corressem bem".

É verdade. O amor é capaz de ser isto. Arriscar. Dar. E acima de tudo, querer.
Pinterest // Instagram // Facebook // Twitter

Deixe um comentário

1 comments

  1. Arriscar. O amor é grande um risco.
    Querer é isso mesmo, querer correr o risco e que tudo corra bem.

    ResponderEliminar