#Maluquinha que só eu sei

quinta-feira, maio 21, 2015


Tenho passados os últimos dias em casa, apesar do bom tempo. Dar três passos nem que seja para ir ao café da esquina parece-me um sacrifício para lá de humano. A minha petite maison tornou-se no meu bunker [e infelizmente, eu gosto disso]. O objectivo quando a encontrei era ser feliz nela, mas as coisas correram um bocado para o torto, confesso... Na última consulta com a psicóloga, chegámos à conclusão que eu precisava de me descontrolar. Bonito... Anda meio mundo sem saber usar travões e eu tenho de cortar o fio dos meus. Pode parecer fácil, mas não é. Não é nada fácil...

Pensei por momentos que já tinha conquistado algum terreno aos meus medos, mas ao que parece, estava sentada na ponta do iceberg e só agora me dei conta do tamanho dele. Estava feliz porque já conseguia viajar nos autocarros, com metade de Lisboa inteira, sem ter um ataque de ansiedade, mas isso não parece suficiente. "E agora, qual é a próxima coisa que vai evitar?", perguntou-me ela. "Vai continuar a evitar a vida? Vai continuar a evitar a possibilidade de ser feliz? Vai continuar a evitar dar-se aos outros? Vai continuar a evitar apaixonar-se? Vai continuar a evitar-se?" Porra. Há dias em que a odeio. E uma pessoa ainda paga para nos infligirem estas dores...

Ela tem razão. Custa admiti-lo, mas ela tem razão. Hoje tentei contornar as minhas fraquezas. Escrevi-vos do café. Pedi uma imperial para ajudar-me a relaxar. Tentei ser normal e parecer normal. Tentei não ter medo de fazer uma coisa que sempre fiz. Tentei descontrolar-me controladamente. É difícil explicar este mundo tenebroso em que se entra a quem nunca viveu nele. Vergonha. Receio. Tabus. Admitir que se está fraco e que o nosso cérebro nos está a levar a melhor não é algo que nos dê motivos de orgulho. Vivemos a vida de uma forma demasiado séria. Não nos permitimos rir com as nossas falhas.

Ainda que tenha sido um pequeno passo para a humanidade, mas um grande passo para mim, venham mais idas ao café. Venham mais imperiais. Venham mais posts. Mais conversas. Mais estórias. E venha o descontrolo de que tanto se fala e de que eu tanto preciso. E se me virem na rua a bater mal da cuca, deixem-me estar... É terapêutica recomendada pela médica. Até amanhã!


[imagens: ccstylebook]

Deixe um comentário

2 comments

  1. Tinha lido este post a semana passada, sei que tentei comentar mas o meu pc anda doidinho, penso que o que me levou a não comentar teria sido isso mesmo: bloqueio.
    Não comento o que a psicóloga disse, comento o que penso de si.
    Uma mulher cheia de humor, bonita, prendada, inteligente, tem de "tentar" contrariar esses medos e inseguranças ( a mente é lixada, eu sei).
    Mas nada é impossível a CC é uma guerreira, consegue, sim, vencer esse lado mais negativo.
    Bora lá beber umas beers, saia, viva a vida.
    CC, como sabe reformei-me em 2013, tive medo do futuro, de receber bastante menos dinheiro mas com as mesmas responsabilidades. Mas nunca pensei ocupar tão bem a mente e o tempo. Há altura que gasto uma tarde no pc a ler os blogs que gosto. Há outras, que não tenho paciência para os ler e saio para a rua...Só não vou beber finos, porque quando os bebo, gosto de o fazer acompanhada.
    CC tem muita vida para viver, não se deixe levar pelos fantasmas.
    E Lisboa tem tanto para visitar!
    Beijinho

    ResponderEliminar