#E então, que tal a vida de desempregada?

quarta-feira, junho 17, 2015

Até agora não existem queixas. Nenhumas. E sim, podem-me chamar nomes que eu compreendo a vossa indignação. Em Portugal é [quase] proibido alguém admitir que se despediu... Mas foi exactamente isso que aconteceu. Eu despedi-me. E não me arrependo. Nada.

Antes de me despedir, é claro que ponderei como qualquer pessoa ponderaria. Adiei a decisão muitas vezes. Mais vezes do que aquilo que desejei. Mas chegou o dia. O dia em que me tornei livre por vontade própria. E cá entre nós, é nessas condições que eu pretendo continuar. Pela primeira vez na vida não tenho pressa. E não ter pressa foi um sentimento do qual eu tive muitas saudades nos últimos 2 anos da minha vida.

Aos 31 posso finalmente dar-me ao luxo de oferecer a mim mesma uma coisa que o dinheiro não compra: tempo. Tempo para fazer as coisas de que realmente gosto. É uma espécie de licença sabática... para despejar todo o lixo emocional que acumulei em excesso. Todos nós devíamos ter direito a depurar de vez em quando as nossas vidas e a reiniciá-las de mansinho, sem urgências e sem corações amolgados.

Há uma coisa que aprendi ao longo desta odisseia no espaço: na vida, as palavras que nos definem nunca serão os outros a escrevê-las. Somos nós que escolhemos onde decidimos colocar vírgulas e quando as substituímos por pontos finais. E não é preciso saber escrever bem... É preciso simplesmente sentir. Dar ouvidos [e voz] ao coração, o primeiro professor que temos na vida. 

Não pretendo recomendar que façam o mesmo que eu fiz. Fi-lo porque me sentia infeliz. E se me perguntarem se valeu a pena, eu direi que sim, sem dúvidas. Não me interessa o que os outros pensam de mim nem a cara que fazem quando eu assumo com convicção "despedi-me". Interessa-me, apenas, aquilo que eu penso de mim. E neste momento, a pessoa que eu sou, é alguém de quem eu me orgulho muito.

Deixe um comentário

5 comments

  1. fizeste tu muito bem. :) e eu fiz o mesmo também. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois fizemos Ana!!! Sinto-me muito melhor assim!!! Beijinhos grandes

      Eliminar
  2. Fizeste bem! Eu fiz o mesmo que tu à 3 anos atrás e nunca me arrependi.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que alegria saber disso Sónia! É tão bom saber que as escolhas mais difíceis acabam por ser as mais desejadas! Beijinhos e tudo de bom!

      Eliminar
  3. Nem todos têm coragem e admiro quem a tem.
    Beijinho

    ResponderEliminar