#Nós não queremos ir embora

segunda-feira, junho 01, 2015

Vinha a caminho de casa quando nos cruzámos por acaso [da última vez que nos vimos ainda estávamos na faculdade]. Passaram-se 10 anos. Sim, 10 anos. E chegámos juntas à mesma conclusão: a idade traz-nos uma melhoria significativa da nossa capacidade de selecção.

A conversa demorou alguns minutos. Trocámos impressões, experiências, pensamentos, tudo de uma forma bastante condensada. Ambas concordámos que às vezes é preciso darmos um passo atrás para conseguirmos seguir em frente. As inversões de marcha que surpreendem o curso das nossas vidas não são assim tão más quanto parecem...

Percebemos neste espaço de tempo que o amor também é um bem que escasseia. O tempo que nos resta deveria ser passado única e exclusivamente a amar. A amar aqueles que já não vamos ter por muito mais tempo perto de nós. E essa razão, é a razão principal por não querermos sair do nosso país. Por não querermos abandonar os nossos pais. Por não querermos perder os momentos que nos restam. Por não querermos ser órfãos antes da hora. 

A economia do amor não devia ser uma economia de contenção. De sacrifícios. De impossibilidades. Aos 20 anos não se tem a noção de que a vida, mais tarde ou mais cedo, nos rouba os interlocutores das nossas estórias, mas aos 30 já não conseguimos ignorar esse facto. Eu pelo menos não consigo. E é por isso que ir p'ra fora não é uma opção.

O vento que se fazia sentir foi-nos roubando as palavras... foi-nos entregando aos poucos ao desencontro uma vez mais. Mas soube tão bem... É por isso que vale a pena vivermos no(s) sítio(s) aonde pertencemos... Temos sempre a sorte de poder encontrar alguém, que faz parte da nossa estória, e que nos devolve a esperança que temos aos 20 balançada com a serenidade que alcançamos aos 30. Foi um prazer M. [da próxima, espero que nos encontremos no Porto].

                                          Pinterest // Instagram // Facebook // Twitter

Deixe um comentário

0 comments