Eu tenho mesmo de trabalhar??!

sábado, agosto 22, 2015

Odeio escrever cartas de apresentação. O-d-e-i-o m-e-s-m-o. [Eu sou criativa, mas não tanto]. Acho que preferiria um treino de crossfit (dos dolorosos) a ter que escrever uma carta. [Ou talvez não]. As cartas de apresentação soam-me a discurso-miss-universo. Eu simplesmente não acredito nelas. E os empregadores também não. [Penso eu]. No amor e no trabalho é "ver pr'a crer" e o resto são cantigas. Apesar de tudo, e agora que regressei temporária e indefinidamente à Terceira, acho que vale a pena apresentar-me às empresas da ilha. Será que lhes posso mandar um queijo e o currículo em cima, tipo rótulo nutricional? Poupavam-me estas mariquices. São poucos os interessados que lêem os cvs, quanto mais as cartas de apresentação... Ninguém me convence.

Eu não posso escrever numa carta de apresentação que sou boa "a dizer verdades", pois não? Porque eu sou r-e-a-l-m-e-n-t-e b-o-a nisso! Sou exímia a não conseguir manter a boca fechada. É uma pena não poder escrever sobre as minhas qualidades suis generis. Um queijo e um saquinho de papo-secos e o negócio ficava fechado. Ai Senhor, dai-me inspiração e força nas pontas dos dedos para parir a maldita carta. Estou mesmo destreinada... Uma pessoa entra em modo "férias grandes" e depois é um penar para voltar à realidade, mas se não se envia cvs nem se procura emprego corre-se o risco de se ser julgada em praça pública. 

Qual é o problema de uma pessoa não fazer nada? Há quem tenha de trabalhar para pagar dívidas e sustentar os filhos. Há quem não tenha nem dívidas nem filhos, mas na Terceira as pessoas ainda tem de fazer prova viva de que têm dinheiro, mesmo que lhes apeteça viver numa cabana no meio do mato com o dinheiro debaixo do colchão. As gentes típicas constroem casas muito grandes, compram carros topo de gama, fazem férias no estrangeiro e comem e bebem como se o mundo fosse acabar amanhã... É difícil ter-se outras prioridades que não a ostentaçãoÉ claro que a minha pouca vontade em reiniciar a minha vida profissional prende-se também com recordações traumáticas. E se me voltam a sair na rifa uns cretinos como os anteriores? É complicado uma pessoa abster-se de pensamentos tão negativos. Mas enfim... vamos pensar que esta estadia no fim do mundo está a ser muito benéfica para a minha saúde. No fim do Verão já devo ter os chakras todos (re)alinhados!!! Insha'Allah!

P.s - e a minha carta de apresentação vai ser tão original, mas tão original que os empregadores da Terceira vão ficar boquiabertos quando a lerem! Ou vai ou racha! [isto é apenas uma pequena simulação de fé pouco credível]

Deixe um comentário

2 comments

  1. Nem sei o que me parece sabê-la longe.
    Mas espero, de coração, que consiga um emprego à sua medida.
    Beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu também não sei Maria o que me reserva o futuro, mas por agora preciso muito da paz dos meus Açores. Beijinho e obrigada mais uma vez :)

      Eliminar