Querer-se demasiado perfeito pode ser traiçoeiro

domingo, setembro 27, 2015

(foto de 2010 - festa da Time Out)

Eu não sou saudosista, mas defendo que aquilo que foi bom deve ser (bem) recordado. Gosto de me convencer que sou antes uma romântica, (reservada e controlada). E sem dúvida, decidida. Sempre olhei numa única direcção: em frente. Não gosto, nem insisto em olhar para trás... nem sei bem porquê. Inevitavelmente, há algo dentro de mim que ainda não consigo controlar nem tão pouco inverter: a sede de perseguir involuntariamente a perfeição. Apesar do regresso aos Açores ter sido uma decisão pacifica e natural, às vezes a minha cabeça não deixa de a ler como um fracasso. E custa-me muito domesticar esses sentimentos clandestinos que invadem os meus pensamentos nos momentos de maior incerteza. 

Muitos conhecidos que não fazem parte da minha estória enviaram-me mensagens de "apoio" desejando que eu tivesse força suficiente para superar esta fase. E isso enfureceu-me. Apesar de às vezes cair na tentação de pensar o mesmo que eles, tenho de lhes explicar, e tenho de me convencer, que uma mudança não é uma derrota. Embora a divisão entre pensar uma coisa e o contrário seja muito ténue, não posso deitar-me abaixo, nem permitir que outros o façam. Não posso reduzir 13 anos a uma viagem de idaNão quero deixar Lisboa a pensar, e a consentir que outros pensem, que isto é o fim.

Não é. É apenas o inicio de uma nova fase em que provavelmente muitos factores estarão contra mim. Todos me dizem que não será fácil. Que existem muitos elementos para reintegrar. Que existem muitas (re)conciliações por fazer... E é de facto verdade, existe isso tudo, mas também existe a minha fé e a minha esperança. Espero ansiosamente que ambas cresçam a olhos vistos e me dêem motivos de orgulho: não voltar a ter medo de mudar. Eu não estou propriamente preocupada com aquilo que os outros pensam de mim... Estou mais preocupada (e mais concentrada) naquilo que eu penso de mim própria.O desafio é esse: tornar-me feliz do jeito que fizer mais sentido.

Acho que não vale a pena as pessoas estarem nos sítios quando não estão de corpo e alma. Quando não estão focadas. Quando não conseguem continuar. Ou se está inteiro ou não se está. 

Deixe um comentário

1 comments