O jornalismo nunca há-de morrer

quarta-feira, outubro 21, 2015

Porque ainda há quem acredite nele.
Artigo de Héctor Tobar, Who'd Be a Journalist?, para ler na íntegra no The New York Times

«O emprego dos sonhos de Jonathan Bach é uma profissão bastante criticada, mal compensada e na maioria das vezes, perigosa. Várias pessoas dizem-lhe que está condenada a tornar-se obsoleta. Mas nada disso parece importar-lhe. Ele continua a querer ser jornalista (...) Eu digo aos jovens jornalistas a quem ensino na universidade de Oregon para ignorarem a escuridão que cerca a profissão de jornalista e o seu respectivo futuro. As pessoas nunca vão perder a apetência natural que têm para consumir estórias verdadeiras, bem contadas.» 

Deixe um comentário

2 comments

  1. Há muitos e bons jornalistas, por que havia de acabar?

    ResponderEliminar