Pareço mais gorda na televisão?

segunda-feira, novembro 30, 2015

É uma questão recorrente. Toda a gente me pergunta se a caixinha mágica, da qual a grande maioria de nós é dependente, aumenta ou não aumenta visualmente as proporções de quem aparece nela. Não sei de onde é que surgiu essa ideia nem como se começou a debatê-la, mas para mim não passa de um mito. A televisão não faz ninguém parecer maior (embora as "estrelas" gostem de dizer que sim). 

Em Portugal, e um pouco por toda a Europa, ainda vivemos concentrados na imagem do outro. Não é à toa que a maioria das apresentadoras portuguesas seguem um determinado padrão e também não é toa que são escolhidas, normalmente, mais pelo aspecto físico do que pelo seu próprio talento ou formação. Nos Estados Unidos, ainda que a pressão sobre a imagem também exista, e atinja graus incomportáveis de subjugação, os critérios para dar o prime-time a alguém são outros... O melhor exemplo que me ocorre é o da Oprah Winfrey

Seria possível em Portugal termos uma apresentadora assim tão "grande"? Duvido que sejamos suficientemente maduros para promover isso, mas gostava de acreditar que num futuro, bastante próximo, seríamos (todos) capazes de o fazer. Claro que quem aparece na televisão quer estar bem (e parecer bem). E há formas de se conseguir isso, (os aderecistas e os responsáveis de guarda-roupa dos canais de televisão desempenham um trabalho importantíssimo na hora de pôr toda a gente dentro das medidas certas). Não digam que eu vos contei, mas a maioria das senhoras da televisão usam peças modeladoras, eu incluída!

Quando me lançaram este desafio para assumir o especial de Domingo do Terceira Dimensão, alguém me perguntou: "e vais aparecer na televisão assim tão gorda?". Não só estava convicta de que o ia fazer, como efectivamente o fiz. Estar "assim tão gorda" não me incomodou absolutamente nada. As pessoas têm uma ideia errada sobre quem tem peso a mais... Associam sempre a palavra infelicidade a quem tem uma barriguinha mais proeminente. Porque é que não podem existir gordos felizes? 

É óbvio que estar acima do peso me incomoda. Incomoda-me porque a roupa (apertada) se torna desconfortável, mas termina aí. Se eu fosse uma pessoa frágil e se eu tivesse dado ouvidos a quem me disse isso, provavelmente eu não me teria atirado pr'a frente como me atirei. Sentirmo-nos bem connosco mesmos não é (apenas) uma questão física, é uma questão mental. E a nível mental eu estou muito bem, obrigada!

Deixe um comentário

0 comments