Porque é que eu não tenho um quadro com carinhas?

terça-feira, dezembro 08, 2015

Antigamente, os pais, (pelo menos os cá da ilha), costumavam levar os seus rebentos ao fotógrafo todos os meses. Quando as crianças completavam um ano, escolhiam as melhores fotos e compilavam-nas num quadro gigante cheio de efeitos marados. A obra de arte que testemunhava a evolução da descendência própria costumava servir de decoração às "salas de jantar-museu", aquelas salas cheias de bibelots que todo o bom terceirense tem, mas que na realidade nenhuma família utiliza. Ora muito bem, há um mistério por desvendar: eu não tenho um quadro desses. Porquê, pergunto eu.

Levanta-se a forte possibilidade de eu ter sido adoptada. Os meus pais podem ter-me "adquirido" já com uma certa idade e por isso perderam a oportunidade de me fotografar nos primeiros meses de vida. Até podia ser verdade, mas a minha irmã, a única testemunha àquela data com a qual eu posso contar, diz que se lembra de mim. Da minha chegada a casa. E da forma convincente como roubei a atenção dos meus pais. E do dia em que me tentou asfixiar. Bom, isso já são outras estórias. Se calhar os meus pais não tinham dinheiro para ir todos meses ao fotógrafo. Se calhar os meus pais eram apenas uns pais bem modernaços para o seu tempo e resolveram não tirar essas fotos para pouparem os filhos, neste caso filhas, de serem bombardeadas, repetidamente, com os comentários maldosos dos familiares mais próximos (já imaginaram o que é ter todos os anos a família inteira a gozar com vocês na noite de Natal? é dose! não há abafadinho que dê!). Naaaaa, é provável que tenha sido mesmo por falta de dinheiro.

No entanto, e para se redimir dessa falha tão grande, a minha mãe, com a melhor das intenções, resolveu emoldurar uma fotografia minha com 14 anos. Não sei o que é que é pior, se um bebé nu, tipo boneco michelin, virado de papo p'ró ar, se uma adolescente cuja testadeira parece um verdadeiro mapa de erupções vulcânicas... Para além do acne evidente, tenho ainda um penteado estranho, (parece-me um apanhado meio desfeito), e ao que tudo indica estou embrulhada num xaile... Respeitinho, ok? A adolescência é uma fase muito tramada. Felizmente agora as coisas estão um bocado mais evoluídas, os nossos, vossos filhos, não vão ter de passar por estas humilhações, certo? (ou há por aí alguma mãe fã do kitsch?) Às tantas tou eu pr'aqui a mandar bitaites e ainda faço uma desgraça destas quando tiver um "CCzinho"! 

O resto dos registos fotográficos, (o dia da comunhão solene, os disfarces falhados de 25 carnavais, a boca sem o para-choques da frente), estão todos (bem) arrumados. Pode ser que um dia até vos chegue a mostrar alguns... Quando formos mais íntimos. Tá combinado.

Deixe um comentário

1 comments

  1. Na minha família, raramente se tiravam fotografias e as poucas que tenho foram tiradas no fotógrafo.
    Mas em relação ao penteado, estes dias, neste blog, fiz um comentário sobre o penteado que a minha mãe mandou fazer para a minha primeira fotografia do BI:

    http://eagoraseila.blogs.sapo.pt/engano-755432

    ResponderEliminar