Aos resgates em tempo útil

terça-feira, agosto 02, 2016

Ela sentou-se ao lado da minha cama como sempre fez em quase todas as visitas. Contou-me que tinha trocado de trabalho e que nesse novo trabalho tinha conhecido alguém que conhecia (outro) alguém da Terceira. E para me explicar quem era, reproduziu a conversa que tinha tido. Lá pelo meio disse que tinha dito, "olha que engraçado, a minha melhor amiga também é da Terceira".  

Ela não se apercebeu do embate que essa frase teve contra o meu peito. Há muitos anos que me deixei de qualificar amizades e se calhar, por causa disso, não estava à espera de (ainda) ser a melhor amiga de alguém. Tivemos uma estória banal. Vivemos juntas, chateámo-nos e separámo-nos, até ela me (re)aparecer no quarto do hospital. 

Quando nos chateámos, eu precisava de ajuda, mas não soube como pedi-la. Achei que depois de tantos anos a dividir casa, tinha chegado o momento de ganhar asas. Consegui alugar uma casa só p'ra mim (e antes dos 30)! Isso devia ter-me deixado feliz, mas infelizmente, não deixou. O problema não era a casa, nem com quem a dividia... o problema era eu. Morava em mim.

Sempre que eu pensava na minha vida p'ra trás, pensava nela. Em como ainda gostava de a ter na minha vida. Mas nunca lhe disse isso. Aliás, nunca fui muito boa a dizer coisas, saio-me bastante melhor a escrevê-las. Eu preferia que o nosso reencontro não tivesse sido num quarto de hospital, mas apesar disso, foi um reencontro bom. Não foi daqueles forçados, artificiais, convenientes por causa da boa educação. Foi um reencontro exclusivamente em nome da amizade... tão natural como antes.

Suspirei de alívio nesse dia. O que eu tinha medo de recuperar, tinha vindo, naturalmente, até mim. Pode-se ser mais sortuda do que isso? Eu penso que não. Agora confesso-vos, na última visita, ela apanhou-me desprevenida. Ser a melhor amiga de alguém é uma responsabilidade muito grande... da qual eu não sei se serei digna. O cancro é uma porcaria. Uma grande porcaria. Mas tem destas coisas boas. Verdadeiramente boas.

Deixe um comentário

2 comments