(Re)soluções de ano novo

segunda-feira, janeiro 02, 2017

Ora bem... Combinar, melhor, sem dúvida, a cor das cuecas com a do soutien. [a batuta, óbvia, dos conjuntos, não se fez para mim]. I was born to be wild. Choquem-se caros leitores. Logo eu, que trabalhei tanto tempo como consultora de lingerie. [até cheguei a ser responsável pela secção da cueca!]. Meus amigos, quando vocês, nas vossas vidas, chegarem a responsáveis pela secção da cueca, pára tudo! [vocês não vão querer outra coisa]. Mas, como muita gente me disse, (e ainda diz), "Deus dá as batalhas mais difíceis aos seus melhores soldados". Não aprendi nada com a das cuecas. Sou um flop. [digno de um Óscar].

Deixar de beber (tanto) bagaço. [o fígado está um bocado despachado]. Se soubesse que ia precisar dele, no futuro, 100% operacional, juro que o tinha poupado durante as crises existenciais da adolescência. [que duraram até pouco antes dos 30s]. Agora eu e o álcool (man)temos uma relação de cão e gato... Ups, enganei-me. É mesmo só de gato. Porque tal como os gatos, no que toca a álcool, eu só posso molhar a língua. Upa Upa. Se ficar melhor, estraga. [não mexe mais, pleaseeee]. Esta última parte foi a sério.

Atingir, finalmente, o objectivo de uma vida: as sobrancelhas da Frida Kahlo. [está quase! não fosse eu ter lapidado, ao longo do tempo, com a minha mão esquerda, metade dos pêlos mais importantes]. A Frida Kahlo para mim, não só é uma das mulheres mais inspiradoras da História, como também é um ícone de estilo. [vão lá enfiar flores na cabeça como ela enfiava e digam-me quem é que tem ou não tem atitude]. Será que ela combinava a cor das cuecas com a do soutien? Não me parece senhora disso. Frida rocks!

Transformar-me num unicórnio. [and slap all the bitches in the house]. Isto porque há que rentabilizar a crina, branca, que me está a nascer no meio da testa. E corno por corno, ao menos que seja um, assim... em grande. Aliás, sempre gostei de póneis. E de cavalos. [não sei porque é que me lembrei disto]. Um dos sonhos da minha vida era ter um... Mas, tal como não tenho jeito para combinar a cor das cuecas com a do soutien, também não tenho jeito, nenhum, para a equitação. Eu é mais saltar paredes por atalhos e maus caminhos. ["sempre que a hemoglobina me quiser"]. É que levantar uma perninha exige, actualmente, tanto esforço como correr uma maratona. Por falar em sonhos... também quis ser patinadora artística. [mas esta conversa fica para outro dia]. Artista eu sou. E patinado também tenho patinado. Mas ainda não patinei de vez. LOL. [piada fácil mesmo a pedi-las].

Escrever sem ironia, sarcasmo, ou figuras de estilo da minha própria auto-recriação. [esta é a (re)solução das (re)soluções]. Tão difícil como combinar cuecas e soutiens. Passemos à frente. A atalhar caminho. Parar de escrever português do Brasil quando me comunico com alguém que está no Brasil. [esta coisa de imitar o Ricardo Pereira, irrita-me um bocado]. Mas é mais forte do que eu. Sempre foi. Peço sempre desculpa porque podem pensar que é a gozar, mas não é. Os brasileiros tem uma forma de falar que é foda. E eu sei lá... identifico-me. Caraca!

Conseguir cantar a letra de uma música, do principio ao fim, sem ter feito uma versão nova da própria. [naaaa não vos vou dizer o que é que eu cantava antes de descobrir que o refrão desse grande hit dos Soca Boys era "follow the leader"]. Nunca foi boa ovelha. Não gosto muito de ir atrás de ninguém. Nem que ninguém venha atrás de mim. Só se for gente boa, se não... tenho de desmontar do unicórnio para um tête-à-tête. Acabar o Siddhartha. [até agora (ainda) não percebi porra nenhuma do livro]. E o Arquipélago do Joel Neto. [bem que a Terra-Chã podia ser mais pequena, aqueles Dois Caminhos têm cabo de mim].

Vá, digam lá, vocês achavam que isto ia ser um post sério, não achavam?! As (re)soluções de ano novo são como os pensos higiénicos da Ausonia. Não havendo outros, melhores, uma pessoa tinha de se conformar... e passar o dia a disfarçar. [ainda bem que inventaram o termo "slim" senão, ainda hoje, estaríamos numa baita de uma saia-justa]. Sejam fazedores. Sim, como o gajo, ou gaja, que inventou os pensos higiénicos slim. Ele, (ou ela), não deve ter escrito na lista de (re)soluções de ano novo "inventar penso higiénico confortável para as mulheres, compatível com o uso de leggings opacas". Inventou e pronto. É isso. Inventem. E concretizem. [ou vou ter de desmontar outra vez do unicórnio, no meu fato de patinadora artística, para chocalhar com vocês um bocado?!].

P.s - a Frida também era moça de bigodes, não era?

Deixe um comentário

2 comments

  1. Sim, tinha um belo de um buço.
    O resto apenas podemos imaginar.
    Bom 2017! Força nisso!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Então estou bastante parecida :P
      Bom ano! Obrigada.

      Eliminar