Gosto de ti, porra!

domingo, fevereiro 05, 2017

Sempre fui picuinhas com os números. Muitos pares. [em detrimento dos ímpares]. Preferências. Pouco exactas. Nunca tive uma boa relação com a matemática... mas sempre me deixei seduzir, inconscientemente, por equações difíceis (e complexas). Apesar de ter escolhido letras [e palavras], as datas (aleatórias) nunca deixaram de me surpreender. Todos os dias somos agentes de várias operações. Somar. Dividir. Subtrair. Ou multiplicar. [para ser simples]. E há tanto de mágico numa conta, bem resolvida, como num poema, ou numa frase, bem sentidos.

Este Fevereiro, habitado por ventos fortes, e ondas maiores, traz-me alguns números à memória... e ao peito. E de repente percebo, como me desfiz, naturalmente, das implicâncias (e das superstições) com (determinados) algarismos. Ontem. Ontem a brisa desgovernada dos últimos dias serenou. O céu encheu-se de luz e as pedras da calçada de calor. As casas da cidade vestiram-se de sombra(s). Sombras típicas de uma tarde de Primavera. Onde tudo floresce. Outra vez. Angra (só) minha. [e de mais ninguém]. Perdoem-me a vaidade. 

Números. Hoje. Gosto de todos. Sem seriação. Aprendi-o. [sobretudo no (último) ano que passou]. Mas, voltemos a ontem. 365 dias depois do dia em que descobri que podia morrer mais cedo do que o previsto. Ali estava eu, numa rua, da minha ilha, apoiada na cal branca de uma casa. A olhar lá para cima. [para o infinito]. Deixei o sol pousar em mim. [sem combatê-lo]. Levemente. Aninhou-se na minha pele. Forte. Como quem abraça e não magoa. E intenso. Obrigou-me a fechar os olhos. E a senti-lo. Apenas. A dispor-me. A deixá-lo. Beijar-me. E a entregar-me. A um prazer único. Estar viva.

Há muito tempo que não me sentia assim. [e não consigo colocar em palavras o assim]. Confesso. Há muito tempo que não me deixava levar. Há muito tempo que não me sentia perto do inteira. Tenho andado, por aí, a recolher os meus destroços, mas ontem... Ontem senti que o desastre que havia em mim era uma incógnita bonita. Uma incógnita. Aquecida pelo sol de um dia de inverno. No meio do atlântico. Norte. Que viagem. Que... grande viagem.

(Ainda) posso morrer. [podemo-lo todos]. Mas são os entretantos que importam. Gosto tanto de ti, porra! 
Gosto mesmo de ti... you little bitchieGosto imenso de ti. E se calhar, até ontem, não sabia quanto.

Deixe um comentário

2 comments

  1. Click. Fico genuinamente feliz por sentires isso :) Em cima do chão, debaixo do céu, qualquer lugar para mim está bom.

    ResponderEliminar