Enoxaparina Sódica

sábado, maio 06, 2017


Recentemente falei-vos (aqui neste post) sobre o(s) dilema(s) da quimioterapia. São muitos. Muitos mais do que aquilo que possamos imaginar. Nós, os pacientes oncológicos, não temos de lidar só com o processo do tratamento em si, como também temos de nos adaptar - e habituar - aos efeitos colaterais que ele provoca de uma forma rápida e pacífica. Isto se não quisermos enlouquecer à bruta. Os efeitos secundários da quimioterapia podem fazer-se sentir a vários níveis. Dependendo do grau em que se manifestam é (muito) provável que seja necessário fazer alguns ajustes em determinadas esferas da nossa vida e do nosso quotidiano. Recorrer a medicação para controlar, profilaticamente, intercorrências de várias naturezas é o mais comum. E voltamos ao tema dos químicos novamente. A tal estória do custo/benefício. Do que eles podem trazer. E do que eles podem levar.

A título de exemplo decidi mostrar-vos a minha barriga porque ela, de facto, ilustra muito bem aquilo de que decidi falar hoje. E porque é importante passar a mensagem a quem possa estar na mesma situação. Quando comecei o tratamento surgiram algumas complicações. Antes dos pacientes iniciarem a quimioterapia há (quase) sempre uma avaliação do seu estado de saúde geral à qual se segue um processo de preparação do corpo. A ideia é tentar equilibrar ao máximo tudo aquilo que a quimio irá desequilibrar posteriormente. No meu caso, em particular, nessa fase, foi-me detectado um trombo. Um trombo é basicamente um coágulo no sangue. Os coágulos no sangue podem impedir, justamente, o sangue de circular. É por isso que ninguém gosta deles. Principalmente se se desprendem e começam a viajar pela corrente sanguínea até por exemplo se alojarem noutros sítios, como é o caso dos pulmões. E aí a coisa complica-se. 

Qualquer pessoa, não só os pacientes oncológicos, pode desenvolver um trombo. Da mesma forma que nem todos os pacientes oncológicos os têm. É preciso esclarecer isto. Aliás, o tratamento de prevenção, feito à base de Enoxaparina Sódica, é utilizado normalmente em outras situações. Várias. Traumas ou cirurgia. Em pessoas com idade acima dos 40. Obesidade. Tabagismo. Situações de imobilidade prolongada. Cancro. Durante a gravidez e no pós-parto. Devido ao uso de pílulas anticoncepcionais ou terapia de reposição hormonal. Qualquer uma destas situações pode levá-la ou levá-lo a si a ter que utilizar Enoxaparina. As doses e a frequência das injecções serão definidas conforme o seu caso e as suas necessidades. (já tive períodos em que tinha de administrar 2 doses diárias, actualmente faço apenas uma).

O que a Enoxaparina vai (tentar) fazer é não deixar que o sangue coagule dentro dos vasos sanguíneos. É normalmente injectada por via subcutânea na gordura da barriga e pode ser feito em casa, sem necessidade de recorrer ao hospital. (isto se vocês se derem bem com agulhas). O corpo, depois, encarrega-se de absorvê-la. É normal que, ao fim de algum tempo, a zona da barriga comece a ficar cheia de nódoas negras. (tal não é a quantidade de injecções que uma pessoa tem de levar!). Não convém massajar, nem pressionar essas zonas. Se derem conta de umas pequenas bolinhas que se formam no local das picadas, podem colocar gelo para descongestionar. Nos casos em que já não há mais espaço disponível, ou em que a barriga já esteja demasiado massacrada podem mudar para as coxas ou os braços, mas antes disso consultem um médico ou um enfermeiro. As minhas meninas foram impecáveis a explicar-me todo o processo de administração, eu é que realmente não tenho muito talento para isto. Está visto.

Antes de terminar, queria apenas deixar mais uma ideia para discutir, em particular, com as meninas que me lêem. Uma vez que o trombo foi detectado antes de dar inicio ao processo de tratamento, os médicos associaram-no ao uso da pílula. (o método anticoncepcional que eu sempre usei desde os 18). Se calhar, a pílula não é assim tão boa, não concordam comigo? Isto de andarmos todos a alterar que nem doidos o ritmo natural do corpo tem muito que se lhe diga... 

Deixe um comentário

0 comments